Monday, November 05, 2007

Um cachorro, uma orelha...








De longe, Será arte? é, até agora, o post que despertou mais reações, tanto entusiasmadas quanto indignadas. Minha intenção não era polemizar, mas, justamente, mostrar que o debate sobre a arte contemporânea no Brasil se transformou num diálogo de surdos. Levantei algumas hipóteses, sem em momento algum condenar, em bloco, a produção artística atual.

As duas instalações citadas (as maçãs e o quebra-molas de paçoca) pecam não pela controvérsia gratuita, ao contrário: pecam por serem obras inofensivas, fechadas em si mesmas, que não se articulam com nenhum processo exterior a elas próprias. As artistas têm obrigação de vincular suas obras à realidade? Não. Mas quando instalações desse tido se tornam a tendência dominante da arte, isto causa uma impressão de esgotamento e alienação. Nesta altura, aliás, as sete mil maçãs já devem ter apodrecido na galeria. E daí?

Todos os movimentos de vanguarda do século 20 que resistiram à prova do tempo - e foram vários - devem boa parte de seu êxito ao fato de terem mobizado a sociedade em debates produtivos, porque estavam associados a transformações sociais, culturais, psicológicas e tecnológicas que tinham um impacto direto na vida das pessoas. Basta pensar na relação do futurismo com a guerra e com velocidade trazida pela máquina ao cotidiano das pessoas para constatar que o novo não era uma manifestação espontânea e gratuita de gênios individuais. Mesmo o surrealismo, com seu projeto de libertar a criação de qualquer controle racional, só foi possível num contexto de consolidação da idéia de inconsciente concebida por Freud; além disso, numa segunda etapa, o surrealismo foi associado por André Breton a um projeto político de esquerda, o que é uma contradição em termos, mas confirma o papel do contexto histórico na arte de cada época.

Quando Marcel Duchamp expôs um urinol ou desenhou um bigode na Monalisa, fez um gesto revolucionário, que rompia com as convenções e abria possibilidades infinitas para a arte. Mas, como todos os gestos fundadores, é irrepetível, porque o contexto já passou: desenhar um bigode na Monalisa hoje seria apenas ridículo. Abolidos os cânones, qualquer adolescente é capaz de transgressões parecidas.

O problema é que as fronteiras entre a criação artística e a empulhação pura e simples se tornam muito tênues em alguns momentos. A falência da crítica como fator relevante apenas agrava esse quadro, já que quem legitima o artista hoje não é mais o reconhecimento crítico, mas o sucesso em si: se faz sucesso, é bom. Nada mais capitalista. Mas talvez seja mesmo este o destino de todas as artes (a literatura, a música etc), isto é, enquadrar-se numa lógica de mercado ou morrer.

Mais grave que a repetição anódina de fórmulas que fizeram sentido na primeira metade do século passado é o esforço, igualmente ultrapassado, de épater a qualquer custo. Como é cada vez mais difícil chocar as pessoas, alguns artistas "perdem o senso de noção", numa tentativa desesperada de ganhar projeção num mercado (pois é) cada vez mais competitivo. Diversos leitores me enviaram mensagens com referências a duas obras recentes, bastante representativas:

1) Numa exposição em Manágua, em agosto passado, o artista plástico costa-riquenho Guillermo Vargas Habacuc amarrou um cachorro num canto da galeria e o deixou lá sem comida, até morrer de fome, diante dos olhos perplexos dos visitantes. Habacuc se justificou: "O importante para mim era constatar a hipocrisia alheia. Um animal torna-se foco de atenção quando o ponho em um local onde pessoas esperam ver arte, mas não quando está no meio da rua morto de fome. Este cachorro está mais vivo do que nunca, porque continua dando o que falar".

2) Em outubro, o artista plástico cipriota Stelarc convocou a imprensa para mostrar sua obra mais recente: ele implantou uma orelha no próprio braço. Stelarc utiliza o próprio corpo como plataforma para os seus trabalhos, que envolvem instrumentos médicos, próteses, biotecnologia, elementos de robótica e sistemas de realidade virtual. Não satisfeito, ele anunciou que quer implantar um microfone próximo à orelha, para captar o que estiver sendo "escutado".

Será arte?

P.S.
Recebi mensagens dos dois críticos citados no post Será arte?, que transcrevo a seguir:

Ferreira Gullar:
"Luciano Trigo, você está equivocado. Não estou insatisfeito. Estou feliz da vida. Gullar"

Affonso Romano de Sant'Anna:
"É isso aí. Estou terminando um livro, mais profundo e ambicioso, examinando detidamente os conceitos e a linguagem usada pela arte conceitual. A tese é simples:
arte conceitual é forçosamente algo de minha área: teoria do discurso, filosofia, literatura. Mosto as incongruências das análises dos 'grandes', tipo Octavio Paz, Derrida, Barthes, Jean Clair etc. e enfrento Duchamp onde nunca se lembraram de enfrentar: ao nível da linguagem e da filosofia. Chega de falar generalidades e falar o óbvio, é preciso de análises mais pertinentes. Abraço, ars"

1 comment:

james said...

Tudo de muito bom gosto por aqui.

Um abraço.